Valdemar Ferreira Ribeiro
...Navegando  nos Mares  do  Sul  ...  Observando  o  Norte
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

QUAIS OS RUMOS DA ECONOMIA ANGOLANA ?

Em Angola, os empresários angolanos privados têm bastantes dificuldades em tratar com os Organismos Bancários e até com Organismos do Estado e quando são confrontados com empresas estrangeiras têm muitas desvantagens :

01 – Difícil acesso a financiamentos bancários principalmente porque em Angola só agora se começa a trabalhar com o “direito à superfície” , direito à propriedade privada , relativo aos terrenos aonde são construídos os projectos e os Organismos do Estado de tutela por vezes nem sequer sabem como tratar desta questão dos novos contractos com “direito à superfície” visto ser uma lei relativamente nova no país .

02 – Existe ainda bastante dificuldade ao tratar-se das questões relativas ao terrenos e seus legais e legítimos proprietários , havendo ainda muita confusão e interesses estranhos aos mesmos .

03 - Os juros dos Bancos privados em Angola ainda são muito altos comparativamente com a Europa ou outros países tais como a África do Sul , os tempos de carências dos empréstimos são praticamente inexistentes ou muito curtos , os tempos de pagamentos dos financiamentos geralmente são curtos e tudo isto dificulta muito às empresas angolanas que precisam recorrer ao crédito bancário privado ou estatal , principal via que leva ao desenvolvimento dos países .

04 – Os custos operacionais no dia a dia das empresas angolanas ainda são muito altos .

05 - O sistema de fiscalização e controle dos Organismos de tutela do Estado angolano muitas vezes são inibidores para os empresários privados mais empreendedores que querem e podem trabalhar com qualidade e eficiência pois estes Organismos de fiscalização muitas vezes actuam com “ EXCESSO DE ZELO” , significando isto que alguns grupos de fiscais procuram criar “dificuldades para obterem facilidades “ .

Os empresários mais competentes , para não se aborrecerem mais com os “excessos de zelo” de alguns Organismos do Estado , fecham suas empresas ou mudam seus objectivos empresariais e tanto é verdade isto que é difícil encontrar em Angola empresas tradicionais ou mais antigas com muitos anos de vida no mercado , com raras excepções .

06 – As empresas estrangeiras , associadas ou não a parceiros angolanos , têm fácil acesso ao crédito bancário em seus países ou em Angola , com juros baixos , prazos de carência bons , prazos de retorno dos financiamentos também bons .


Devido às facilidades burocráticas que as empresas estrangeiras encontram quando há parceiros angolanos de relativa influência dentro das estruturas do Governo ou das estruturas bancárias , logo à partida têm mais vantagens .

Devido ao poderio económico e financeiro que as empresas estrangeiras têm e por terem fácil e rápido acesso a financiamentos bancários , logo esta condição permite a estas empresas terem vantagens na competição com as empresas pequenas e médias angolanas e estas empresas angolanas perdem a “ OPORTUNIDADE” dos projectos ou negócios .

Deste modo , se não houver muito cuidado no tratamento destas questões por parte de quem decide a economia angolana , com certeza haverão sempre desvantagens competitivas entre as empresas nacionais pequenas e médias relativamente aos grupos económicos mais fortes , nacionais ou estrangeiros sul-africanos , portugueses , brasileiros , etc. .

É possível aos empresários angolanos desenvolver este grande país .com o próprio esforço mesmo diante das dificuldades conjunturais e estruturais internas e externas assim como se conseguiu construir uma União Nacional Angolana através da luta militar e política .

* As Instituições militares em Angola , com o advento da paz , souberam cumprir com seu papel de construtores das fronteiras nacionais e sua bandeira .

* As Instituições políticas souberam desempenhar seu papel político com mestria e alavancar Angola para um destaque internacional de relevo, no mundo e em especial na região da SADC .

* Com o desfecho da visita do Presidente da África do Sul ficou claro e bem defenido o papel político nacional e internacional de Angola no mundo , principalmente na SADC .

* Só falta agora Angola cumprir-se económica e socialmente mas isso depende fundamentalmente dos angolanos empreendedores , depende dos pequenos e médios empresários angolanos , com o apoio dos Organismos e Instituições do Estado e privadas .



O Governo de Angola traçou caminhos bem delineados dos rumos da economia nacional .

PARA QUE ANGOLA SE CUMPRA PLENAMENTE , AGORA NA ÁREA ECONÓMICA E SOCIAL , É PRECISO QUE OS RESPONSÁVEIS DE PRIMEIRO , SEGUNDO E TERCEIRO ESCALÃO DOS ORGANISMOS E INSTITUIÇÕES OFICIAIS OU PRIVADAS DECISÓRIOS SAIBAM EXECUTAR AS TAREFAS ORIENTADAS PELO GOVERNO , COM EMPENHO , RAPIDEZ , VISÃO FUTURISTA , EXPERIÊNCIA , EFICIÊNCIA , EFICÁCIA , COM ESPIRITO PÚBLICO E SENTIDO PATRIÓTICO .

Os RESPONSÁVEIS de segundo ou terceiro escalão nas decisões dos Organismos e Instituições financeiras ou outras que agem com demora , lentidão , interesses pessoais e oportunismo , falta de visão , falta de experiência , incompetência , etc. , prejudicam muito o desenvolvimento sustentado do país e com isso não permitem que as empresas pequenas ou médias angolanas possam desempenhar seu papel dinamizador económico e social pois está totalmente demonstrado que são as pequenas e médias empresas privadas que desenvolvem sustentadamente os países .


***********************

As Instituições militares e Políticas de Angola souberam cumprir com suas responsabilidades na reconstrução do país .

É preciso que as Instituições Económicas de Angola saibam também cumprir seu papel de dinamizadores da ECONOMIA NACIONAL pois de outro modo estarão a destruir todo o trabalho e esforço titânico executado com competência e mestria pelas Instituições Militares e Políticas nacionais .

De outro modo , Angola e seus pequenos e médios empresários mais dinamizadores poderão ser ultrapassados pelos empresários estrangeiros devido ao seu poderio económico e estratégicas e Angola se transformará num espaço dominado por economias ágeis mais eficientes e eficazes , da região ou de outras regiões , deixando assim de se cumprir após tantos anos de esforço e luta titânica .

Os pequenos e médios empresários privados angolanos querem que Angola se cumpra plenamente na sociedade das Nações mais desenvolvidas e querem que as Instituições Económicas e financeiras saibam também desempenhar com competência seus papel de Organismos promotores do desenvolvimento sustentado nacional .

As actuais Instituições Políticas de Angola , que nos últimos tempos decidiram abrir as fronteiras de Angola para o mundo global , com cautela mas sem medo , com firmeza e com clareza , também saberão promover a economia angolana e seus empresários mais empreendedores de tal modo que estes possam competir ao mesmo nível , sem complexos , com competência , eficiência e eficácia , com outras economias , de igual para igual , inicialmente dentro do país mas tendo em conta a sua região da SADC aonde está bem inserido militar e politicamente .

(Economista)
Valdemar Ribeiro
Enviado por Valdemar Ribeiro em 24/08/2009
Alterado em 25/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.