Valdemar Ferreira Ribeiro
...Navegando  nos Mares  do  Sul  ...  Observando  o  Norte
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

NOVA REFINARIA DE PETRÓLEO EM ANGOLA

Foi lançada a primeira pedra no dia 11 de Dezembro de 2012, dando inicio à construção de uma Refinaria de Petróleo na cidade do Lobito, em Angola, inserida junto à sua bela baía .

Esta obra custará um bilião e quinhentos milhões de dólares americanos e será construida pelas empresas Odebrecht(brasileira),MotaEngil (portuguesa) e Zagope (brasileira) e em cinco anos deve estar a funcionar .

A “AIA” , Associação Industrial Angolana, não é favorável à localização desta Refinaria na cidade do Lobito .

Justifica esta posição afirmando o seguinte :

- A cidade do Lobito com sua bela baía sempre foi um local privilegiado para turismo desde há muitos anos .

- Os derrames de petróleo da Chevron, da Sonils, o incêndio na FINA localizada na cidade do Lobito, os dois incêndios da Petrangol em Luanda, na EMUL, os acidentes na Venezuela e em Londres, etc...por si já indicam que as águas desta bela baía do Lobito e seus habitantes futuramente correm riscos de uma poluição ambiental grave e problemas de saúde pública.

- Há também a consequente poluição atmosférica e das águas marinhas e sua vida animal e vegetal ao redor das refinarias .

Ou seja, há enormes riscos ambientais ao ser construída esta refinaria na baía do Lobito .

- Como contrapartida a esta localização , a AIA sugere que esta importante refinaria angolana seja construída num futuro Polo de Desenvolvimento Industrial Petro Químico localizado a sul da Baía Farta constituindo-se uma Zona Económica Especial .

- A AIA também propõe que o futuro porto mineraleiro seja construído fora da baía do Lobito .

- As empresas cimenteiras também devem ser deslocadas para longe dos granes centros devido à grande poluição gerada .

- Deveriam também ser plantadas árvores ao longo da nova linha dos Caminhos de Ferro de Benguela, com mais de mil quilómetros de extensão , para enriquecer o ambiente florestal e preservação das chuvas .

- A AIA também alertou e continua a alertar que há grupos empresariais importadores diversos , alguns indianos , alguns chineses e alguns libaneses que tudo fazem para destruir a nascente industria angolana .

Em conclusão , a Associação Industrial Angolana tem uma posição bastante clara e firme acerca do desenvolvimento industrial angolano construído de forma sustentada e tendo como objetivo primordial um grande equilíbrio económico , social e ambiental .
Valdemar Ribeiro
Enviado por Valdemar Ribeiro em 13/12/2012
Alterado em 09/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (citar autoria de Valdemar Ferreira Ribeiro e o site www.valdemarferreiraribeiro.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.