Valdemar Ferreira Ribeiro
...Navegando  nos Mares  do  Sul  ...  Observando  o  Norte
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

ANGOLA - PROPOSTAS ECONÓMICAS EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO




Exmo. Sr. Presidente da República de Angola General João Lourenço

Respeitosos cumprimentos .

Somos uma empresa angolana “Organizações Amaral Ribeiro lda” há mais de 25 anos no mercado angolano e brasileiro na área de hotelaria e na área da Industria Alimentar, proprietaria das marcas de qualidade “ O Regente” e “Preciosa” , registradas no “IAPI” e atualmente proprietária da “fábrica de engarrafamento de água “Preciosa” no Lubango , projecto este financiado pelo banco BDA em 2010 , no valor de dez milhões de dólares americanos.

Esta empresa é administrada pelo economista , empresário , ambientalista e professor , valdemar Ferreira Ribeiro , angolano , e Maria da Conceição Amaral , técnica superior em Gastronomia Angolana e internacional , empresária , angolana .

Construimos quatro restaurantes “VIP” em Angola , dois no Lubango e dois em Luanda , e 2 restaurantes “VIP” no Rio de Janeiro , sempre representando a gastronomia angolana internacional .

Em 2010 construímos uma fábrica de engarrafamento de água de nascente natural no Lubango financiada pelo banco BDA , no valor de dez milhões de dólares americanos e em 2014 iniciamos nossa produção e já abastecemos o mercado Sul , Huila . Namibe , Cunene , e outras províncias de Angola , em mais de quarenta por cento e estamos a dar os primeiros passos para exportar nosso produto para o mercado da “SADC” negociando com a “Shoprite” pois temos um produto de excelente qualidade , raro , e preço competitivo .

Estamos a exercer um papel social , ambiental e económico importante na região sul de Angola e nosso foco é a saúde pública angolana , nossos produtos são de extrema qualidade e preços competitivos e na medida em que crescemos poderemos ser ainda mais competitivos nos preços sem perder a qualidade .

Somos considerados uma empresa modelo pelo banco BDA e recebemos em novembro de 2016 um diploma do banco BDA no “forum BDA 2016” no “HCTA” em Luanda .

Somos uma empresa que procura ser cem por cento rigorosa , organizada , focada no desenvolvimento sustentado ambiental , social e económico .

Vimos por este meio expor duas ideias que pensamos ser muito importantes e que podem ajudar a resolver dois problemas fundamentais financeiros de Angola :

Neste momento o mais urgente dos problemas económicos a ser resolvido é a dificuldade na redistribuição das reservas cambiais disponíveis para a importação de matérias-primas , indústria e comercio , ou seja o governo precisa de resolver com equidade e urgência a redistribuição das divisas que o pais consegue disponibilizar .

Algumas pessoas na direção de algumas associações , tais como o senhor Carlos Cunha , e outras pessoas economistas , etc...defendem a ideia que apresentamos aqui pois é a única alternativa viável e real para resolver a problemática da distribuição de divisas em Angola , diante da escassez das mesmas e levar as empresas a estarem interessadas em declarar seus impostos o mais real possível .

Em função das dificuldades cambiais, o governo pode aproveitar esta oportunidade para regularizar e pôr em ordem e obrigar a organizarem-se as empresas do país principalmente aquelas que dependem de divisas para importar matérias-primas e outros produtos acabados.

Seria uma oportunidade para pôr em ordem a casa angolana .

Primeira proposta :

Seria formada em cada província uma comissão provincial , subordinada a uma comissão nacional, com a participação da “AGT” , do MAPESS” , da indústria e do comercio e talvez um representante da “AIA” como fiscal , com profissionais tecnicamente competentes capazes de uma avaliação técnica justa e exata e que possam fazer uma seleção das empresas cumpridoras de suas obrigações institucionais e assim possam ter acesso correto e normal às divisas .

É importante alertar que não seria mais uma comissão burocrática governamental mas sim uma comissão técnica profissional , esclarecida e desburocratizada que tenha experiência económica sobre um desenvolvimento sustentado .

Esta comissão de seleção deve proceder da seguinte forma :

01 - Cada empresa deve apresentar os documentos de seu último Imposto mensal pago e em dia , “IPC” , “IS” , “IRT” .

A “AGT” deve analisar se estes impostos refletem com lógica e clareza os meses anteriores r dar um parecer positivo ou negativo para que estas empresas sejam candidatas ou não ao acesso às divisas .

Estes impostos de cada uma das empresas que necessitam de divisas têm de refletir com lógica não só o último mês mas também os meses anteriores para serem validados pela “AGT” provincial ou seja têm de refletir a realidade .

Tendo como base o imposto de selo e o imposto de consumo pagos mensalmente , é possível determinar quais as necessidades mensais regulares de divisas para cada uma das empresas industriais ou comerciais .

02 - Após esta triagem e seleção das empresas , o “MAPESS” deveria dar um parecer se estas empresas selecionadas pela “AGT” têm seus salários em dia , se são totalmente cumpridoras com o “MAPESS” , se têm seus seguros com os trabalhadores em dia , se têm os mapas de funcionários corretos e com os impostos de trabalho todos em dia e se cumprem com a tabela de salários mínimos .

O ”MAPESS” daria um parecer positivo ou negativo a cada uma das empresas .

03 - Após estas duas triagens , o Ministério da Indústria ou do Comércio dariam um parecer se o alvará industrial ou comercial de cada uma destas empresas está devidamente legalizado e correto ou se são propriedade de terceiros e estão devidamente emitidos .

04 – O Governo também deverá exigir que cada uma das empresas selecionadas e candidatas ao acesso às divisas regularmente tenham sua contabilidade organizada e fechada mensalmente e anualmente caso tenham mais de 1 ano .

Com estas quatro premissas positivas , as empresas teriam acesso normal às divisas e certamente as divisas que o país consegue disponibilizar chegariam para satisfazer as empresas legais .

As empresas que não se enquadrarem nesta legalidade , para ter os mesmos direitos teriam de se organizar e cumprir com as regras institucionais .

As empresas que estão a declarar seus impostos de forma incorreta e com fugas ao fisco, certamente teriam um maior interesse em começar a declarar seus impostos reais pois isso lhes daria um benefício maior e acesso às divisas .

O país formal ganharia muito institucionalmente e em prestigio nacional e internacional .

Segunda proposta econômica:

O governo já declarou na fase de campanha que iria agir para que os angolanos mais ricos que possuem capitais no exterior regressem com esses capitais a Angola .

É pública a lista dos angolanos mais ricos e cujos capitais estão no exterior do país e é pública até a maioria desses valores .

Angola após a independência não tinha angolanos herdeiros ricos logo esses capitais no exterior foram obtidos de forma a levantarem suspeitas mas o governo diz que desde que cumpram com as novas regras e paguem impostos , esses capitais podem ser legalizados desde que regressem pois assim estariam a refinanciar o país .

Certamente, nenhum desses angolanos mais ricos estará interessado em retornar seus capitais para transformá-los simplesmente em Kwanzas e serem depositados à prazo num banco qualquer .

O governo só pode gerar o retorno dos capitais no exterior dos angolanos mais ricos se estes tiverem a oportunidade de investir em angola em empresas que sejam atractivas e sustentáveis pois é a única maneira desses capitais se tornarem rentáveis .

Em angola existe um lista denominada “CIRC” emitida pelo banco BNA a partir das instituições bancárias .

Esta lista informa publicamente quais as empresas devedoras ou não que tiveram acesso a créditos bancários .

Á partir da lista de empresas selecionadas pela primeira proposta e com o aval da “AGT , do “MAPESS” e da indústria ou comercio e caso estas empresas desejem participar também e estejam disponíveis para fornecer informações relevantes mensalmente , o Banco Nacional poderia criar uma outra lista atualizada permanentemente de “empresas sustentáveis” que estejam a cumprir com todos os requisitos institucionais e sejam sustentáveis e rentáveis econômica , ambiental e socialmente .

Essas empresas seriam enquadradas dentro da indústria ou do comercio e por ramos de atividades de modo a ser devidamente e facilmente identificadas .

Com essa lista publica real e correta , sem malabarismos e informações fictícias, aonde constem as empresas mais viáveis e sustentáveis , cumpridoras de suas obrigações institucionais , os angolanos mais ricos poderiam então identificar áreas e empresas aonde possam fazer investimentos com o seu capital retornado e sem correrem muitos riscos nas escolhas e decisões .

Talvez assim o governo , impondo regras para atrair o retorno dos capitais e estes capitais podendo ser investidos sem grandes riscos em empresas sustentáveis e fiáveis , possa ter sucesso neste empreendimento muito importante para o pais .

Estas são as nossas duas propostas que esperamos venham a contribuir para o sucesso deste nosso novo governo eleito democraticamente , em prol da economia angolana e consiga ser um orgulho para nós cidadãos que votamos nele.

Desejamos do mais profundo de nosso coração e mente que este governo tenha o maior sucesso e possa ser um exemplo em África e na região da “SADC” .

O sucesso do governo será o sucesso dos angolanos .

Valdemar Ferreira Ribeiro
Administrador
Economista
Ambientalista
Professor
Valdemar Ribeiro
Enviado por Valdemar Ribeiro em 27/10/2017
Alterado em 08/10/2018